Notícias

Maio de 2011

BUSCANDO A DIREÇÃO DE DEUS

Considero duas situações relevantes quando o assunto é compreender a direção do Senhor para nossa vida: as decisões tomadas com a orientação de Deus e as tomadas sem ela.

Quando tomamos decisões sem antes buscar a direção do Senhor, seguimos o nosso raciocínio lógico, deixamos que as emoções nos dirijam e tendemos a trilhar o caminho mais fácil. Consequentemente, perdemos a visão espiritual e preocupamo-nos apenas com o que é imediato.

Em Seu sermão sobre a ansiosa solicitude pela vida, em Mateus 6.25, Jesus não criticou a luta para suprir as futuras necessidades materiais, mas reprovou a ansiedade, a preocupação angustiosa: Por isso, vos digo: não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir.

O homem pode ser enganado pelos seus próprios desejos. Infelizmente, até cristãos se têm deixado conduzir pelos sentimentos, desejos e pelas concepções próprias, tomando atitudes precipitadas; alguns têm baseado a sua fé puramente nas emoções.

As emoções são importantes e devem ser consideradas. Inclusive, a Palavra de Deus afirma que a paz é o árbitro (Cl 3.15). Contudo, as emoções, sozinhas, podem até atrapalhar nossa capacidade de raciocinar com clareza. Portanto, não permitamos que elas dirijam a nossa vida.

A razão também é falha. Raramente poderá, sozinha, levar-nos a uma escolha acertada. Quem é dirigido só pela razão e/ou pelas emoções está fadado ao fracasso, pois suas escolhas são feitas com base apenas no que ele entende. Assim, precisamos submeter nossas escolhas e decisões a Deus e recorrer à Sua Palavra, para descobrir o melhor caminho a seguir.

Nós vivenciamos o “aqui e agora”, mas Deus sabe exatamente o que ocorrerá depois. O Senhor é onisciente e presciente, sabe de tudo antecipadamente. Devemos, portanto, entregar a direção da nossa vida ao nosso Criador, sendo obedientes à Sua Palavra e à Sua voz, pois o Senhor guiará os nossos passos, e o sucesso será uma consequência.

Quando o Senhor está na direção de nossa vida, podemos continuar caminhando neste mundo com paz e segurança, certos de que Jeová Jireh suprirá nossas necessidades, porque Deus não muda. Aquele mesmo Senhor que abriu o mar Vermelho e alimentou Israel durante os 40 anos que este povo peregrinou no deserto cuida de nós e supre as necessidades espirituais, emocionais e materiais de todos quantos entregam sua vida a Ele.

Então, entreguemos nossa vida a Cristo, estudemos a Palavra e oremos antes de tomarmos qualquer decisão. Aguardemos Sua resposta, porque o Senhor prometeu: Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Porque aquele que pede recebe; e o que busca encontra; e, ao que bate, se abre (Mt 7.7,8).



Silas Malafaia é psicólogo clínico, conferencista internacional e pastor evangélico.


REFLEXÕES DE SABEDORIA

Sabedoria para conquistar a vitória diária

Myles Munroe é pastor, instrutor de líderes e autor internacional de vários livros.

Para onde você vai quando quer trabalhar e não há emprego? O que você faz quando o seu orgulho em relação a uma realização pessoal é lançado no fogo da sobrevivência? Como continuar depois que o legado de anos de trabalho é apagado pela carta de demissão da empresa que você ajudou a construir? Como enfrentar a família que um dia você deixou para trás quando partiu para fazer fortuna e perseguir seus sonhos? Como pedir que ela o receba de volta porque o seu mundo evaporou? A quem recorrer quando aqueles aos quais você pede ajuda também precisam de ajuda?

Viver na terra requer que esperemos o inesperado e nos preparemos para o imprevisto. É a natureza da vida. Mas, muitos não possuem as ferramentas mentais, emocionais, psicológicas e espirituais necessárias para superar, com êxito, os períodos de turbulência.

É preciso entender que o Reino de Deus nunca está em crise. Deixe esta ideia amadurecer. O Reino nunca está em crise porque o Rei é maior do que qualquer crise que possa ter acontecido, venha a acontecer ou esteja acontecendo. Ele sabe o que fazer.

Deus não só sabe o que fazer, como também se importa conosco, tanto individual como coletivamente. Ele ama pessoas e nunca decepcionou o Seu povo. O mais importante a fazer é certificar-se de que você pertence a esse povo.

Cristo não prometeu uma vida livre de tribulações. Ele garantiu uma saída, uma forma de superar cada crise, seja ela grande ou pequena. Ninguém está isento de adversidade, inclusive os cristãos. Jesus disse: No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo (João 16.33).

Independente da família na qual você nasceu e das circunstâncias de seu nascimento, Deus preparou sua chegada muito tempo antes da sua concepção. Há vitória em saber que seu nascimento não foi acidental, e que você tem um propósito específico para cumprir durante seu ciclo de vida. (Joseph W. Walker)

Senhor, Tu és o Deus da paz e da harmonia. Em breve esmagarás Satanás sob Teus pés. Que a graça do Senhor Jesus Cristo repouse sobre mim. (Elmer L. Towns)

Em geral, nossa visão de mundo, teologicamente falando, tem correspondido à realidade. Mas, Deus nos chamou para aquele lugar de perspectiva celestial, o Reino da glória, e para a realidade do sobrenatural em nosso dia-a-dia. É a mudança radical de uma perspectiva terrena para uma perspectiva celestial.

Como filhos de Deus, imago dei, feitos à Sua imagem e semelhança, como seres espirituais, temos capacidade mental, vontade e emoções parecidas com as do Pai. Na verdade, como seres gerados por Ele, temos a capacidade de andar, viver e pautar nossa existência no sobrenatural de Deus, para cumprir a nossa missão e o propósito pelo qual estamos aqui. (Jeff Jansen)

Segurança é o fruto que nasce da raiz da fé. (Stephen Charnock)


Texto extraído do livro Sabedoria de Myles Munroe.



Abril de 2011

PLANO ESTRATÉGICO PARA O SUCESSO

O planejamento de hoje determina a prosperidade de amanhã. Entender esse princípio é fundamental para o progresso. Muitos vivem descontentes por não estarem onde gostariam. Outros, entretanto, vivem felizes, pois colheram os frutos que plantaram.

Muitos cristãos insensatamente rejeitam o intervalo de tempo em que Deus tenta erguer uma base sobre a qual o caráter deles seja edificado. Mas, a temporada do plantio é necessária para qualificá-los para o que o Senhor deseja que eles conquistem. Que tipo de construtor ousaria construir um arranha-céu sem antes projetá-lo?

Deus quer conduzir-nos a um futuro promissor. Contudo, somente quem se organiza é capaz de alcançá-lo. A oportunidade bate à porta de qualquer um, mas apenas os que são prevenidos podem reconhecê-la. Então, gaste um tempo desenvolvendo um plano para chegar ao futuro dos seus sonhos. Agora seria uma boa hora para isso.

Um grande futuro requer um projeto detalhado

Deus não age sem antes planejar tudo. Em Provérbios 16.9 (NVI), é dito: Em seu coração o homem planeja o seu caminho, mas o Senhor determina os seus passos. Quando nos comprometemos com nosso sonho e montamos um plano de ação detalhado, damos a nós mesmos um lembrete visual do rumo que estamos tomando e como achamos que chegaremos lá.

A jornada da vida sempre começa com uma visão. Contudo, muitos indivíduos permanecem estagnados nela, sem dar um passo sequer em direção ao que almejam conquistar. Devemos entender que toda jornada tem um custo, que pode envolver tempo, escolhas, sacrifícios e um sem número de outros fatores.

Temos de registrar nossa visão em relação a nossa vida, para que o que almejamos fique claro. Quando agimos dessa forma, Deus começa a criar dentro de nós um plano com direções que Ele deseja que tomemos. Sem um plano de ação detalhado, nosso destino nunca será alcançado.

Um plano é um mapa que o guia na jornada da vida

Frequentemente, as pessoas me perguntam: “Qual é a melhor maneira de transformar minha dívida em riqueza?” Minha resposta automática é: “Com planejamento estratégico, o qual permite que você torne os seus sonhos em realidade, ao definir passos específicos e mensuráveis, bem como decisões precisas”.

Os indivíduos bem-sucedidos partem de um plano por escrito. As maiores conquistas partiram de um projeto detalhado, cuidadosamente estruturado do início ao fim. Sem um plano bem definido, nenhum sonho pode tornar-se realidade. Quando se tem uma clara ideia de um objetivo, deve-se começar a traçar um plano.

Você pode estar perguntando-se: “Como estruturo um plano?” Primeiro, você deve determinar para onde cada centavo irá no início de cada mês. Dê a cada centavo um destino, antes de tudo.

Quando se utilizar de um planejamento estratégico em cada área de sua vida, você notará quão clara sua vida se tornará.

O hábito é a razão pela qual uns alcançam sucesso e outros não. O que você faz é o que importa. Costumo dizer que os vencedores fazem o que os perdedores deixam de fazer.

Robb Thompson é pastor da congregação Family Harvest Church e presidente da Family Harvest International.



DEUS TEM O SEU MILAGRE EM MENTE

O que você precisa de Deus hoje? Pare e pense sobre isso por um momento. Essa é uma pergunta séria. Imagine-se da maneira como quer ser e estar — saudável e completo em todas as áreas da sua vida. Esta também é a vontade de Deus para você (1 Ts 5.23). À luz desse fato, pergunto: que mudanças você precisa que o Senhor opere, para que a vontade dele seja cumprida na sua vida?

O que você precisa é de um milagre! Pode ser que você esteja pensando exatamente nisso neste momento. Pois saiba que Ele tem um milagre para você! Aliás, o Senhor pode realizar tantos milagres quantos você precisar. Ele é o Deus de milagres, e está pensando em você hoje. Isso é maravilhoso, não é? O fato de o Todo-poderoso ter a mim e a você em Sua mente é algo além da nossa compreensão (Sl 139.17,18).

Quando você acordou nesta manhã, Deus estava pensando em você. Ele está ciente das suas necessidades e tem o seu milagre na mente dele. Então, espere pelo impossível!

Milagres são necessários quando circunstâncias são extremamente desfavoráveis e parece que a situação é irreversível. Abraão e Sara, por exemplo, precisavam de um milagre. Desejavam um filho, para que a vida deles fosse completa. Mas já tinham bastante da idade para ter filhos. [Além disso, Sara era estéril e seu ciclo menstrual já tinha cessado]. Sem dúvida, o pensamento natural deles era: “Isso e impossível. Já somos velhos”. Mas Deus concedeu o desejo do coração de Sara e Abraão, provando que nunca é tarde para um milagre.

Você pode estar pensando: “Se Deus quer conceder-me um milagre e eu quero receber um, por que este ainda não aconteceu na minha vida?” Para que um milagre venha do céu a terra uma conexão divina precisa ser feita. Afinal, milagres não são como mágica. Não acontecem naturalmente. Acontecem prioritariamente quando as pessoas se colocam na posição de receber um.

Para descobrir como deve posicionar-se para receber um milagre, você pode estudar os milagres do Novo Testamento. Existem certos elementos que estão sempre envolvidos quando os milagres acontecem. O primeiro elemento é a fé. Toda vez que um milagre acontece é porque existe alguém na terra acreditando nele. Pode ser a pessoa que precisa do milagre, ou aquela que o está ministrando. As situações podem variar, mas o fato é que a fé em Deus é o que conecta o poder no céu à necessidade na terra (Leia Gl 3.5; Mc 10.52; Lc 17.19; At 3.16).

A fé é importante. Contudo, ela não fará tudo sozinha. Não adianta você apenas crer em algo, em seu interior, mas não fazer nada, exteriormente. Para que a fé seja viva e eficaz, ela precisa de ação (Tg 2.26).

Podemos ver a conexão entre fazer e receber no primeiro milagre que Jesus realizou. Esse não foi um milagre que o Messias planejou operar; foi provocado pela pessoa que mais desejou a intervenção de Jesus: sua mãe, Maria. Apesar de o Senhor ter dito que a Sua hora ainda não era chegada, a fé de Maria permaneceu inabalável. Ela disse para os que serviam naquele casamento que fizessem tudo o que o Mestre lhes dissesse (Jo 2.5-8).

O que aconteceu quando aqueles servos obedeceram? Viram um milagre! Fazer o que Deus nos manda é uma das chaves para recebermos um milagre. Portanto, faça qualquer coisa que Deus lhe ordenar. Ele sabe exatamente do que você precisa para ser colocado na posição de receber o milagre. Ouça as instruções dele; obedeça-lhe!

Marcus Gregório é pastor do Ministério Apascentar de Nova Iguaçu (RJ) e escritor.



Março de 2011

A DIETA DE JOÃO BATISTA

O Evangelho de Mateus (3.1-4) fala um pouco sobre João Batista, que recebeu de Deus a nobre incumbência de batizar homens e mulheres nas águas do rio Jordão para purificação dos pecados. A história desse último profeta do Antigo Testamento e primeiro apóstolo do Novo Testamento é, para mim, uma das mais singelas, especiais e interessantes da Bíblia. Explico por quê.

A história de João Batista não tem o mesmo peso biográfico ou volume de informações que a dos outros personagens bíblicos. No entanto, percebemos que os relatos sobre esse arauto de Deus na terra são altamente impactantes. Apresento algumas razões para afirmar isso:

• João era uma voz no deserto que clamava ao povo, para que este se arrependesse dos seus pecados e fosse batizado.
• Havia sobre ele uma unção específica de confronto. João parecia um trator que endireitava as veredas tortas e preparava o caminho para Jesus cumprir Sua obra de salvação.
• Seu ministério impactava tantas pessoas que muitos saíam de cidades vizinhas e dirigiam-se ao local onde ele estava para ouvir suas palavras cheias de autoridade espiritual.
• Cada palavra que saía da sua boca era capaz de quebrantar os corações endurecidos de Israel.
• Por repreender publicamente o pecado de adultério do rei Herodes, João foi preso e decapitado.
• Jesus disse aos Seus discípulos: entre os nascidos de mulheres, não há maior profeta do que João Batista (Lc 7.28).

Após enumerar alguns pontos sobre João batista que chamam à atenção, destaco um em especial: a sua dieta. A Bíblia claramente nos revela que ele comia gafanhotos e mel silvestre. E aqui está uma linda revelação de Deus para nós: a vida é cheia de contradições. Gafanhotos remetem a coisas ruins, tristes e amargas, enquanto o mel, a coisas doces, alegres, felizes e boas.

Quando vemos nas Escrituras que João comia gafanhotos e mel, podemos extrair das entrelinhas que nossa existência será de altos e baixos, alegrias e tristezas, fé e dúvidas, conquistas e derrotas, acertos e erros, amor e ódio, paz e guerra, vida e morte.

Enquanto vivermos neste mundo, nossa vida será uma absorção, uma ingestão diária de coisas boas e ruins. Todos os servos de Deus experimentaram essas contradições, e nem o próprio Cristo ficou isento dessa realidade. Em um momento, Jesus estava nas águas do Jordão; em outro, no deserto. Uma hora, Ele ouvia a voz do Pai; outra, era confrontado pelo diabo. Em certas ocasiões, o Mestre era elogiado; em outras, era tentado.

Diante disso, quero refletir com você sobre duas verdades. Primeiro, quando alguém lhe oferecer “pratos de gafanhotos”, aprenda a retribuir com “pratos de mel”, ou seja, pague o mal com o bem. Tenha certeza de que surgirão pessoas para servir inveja, ódio, calúnia, difamação, perseguição, fofoca. Porém, se queremos ser parecidos com Cristo na terra e chegar ao céu, devemos oferecer “pratos de mel”, responder com o amor de Jesus.

Já a segunda verdade tem a ver com o fato de João começar comendo gafanhotos e terminar saboreando o mel. Será exatamente assim em nossa vida. Se temos Jesus como nosso Senhor e Salvador, assim como João o teve, podemos experimentar muitas coisas amargas neste mundo, porém, no final, seremos alcançados pela doçura da graça divina.

Jean Porto é pastor na Assembleia de Deus em Curitiba (PR).


PERGUNTAS SEM RESPOSTAS


A vida é cheia de mistérios. Questionamentos acerca da natureza e do sentido da vida são universais em qualquer cultura e a cada geração. Todo mundo se pergunta a respeito do propósito da vida de uma forma ou de outra. Da mesma maneira que nossos ancestrais, também já olhamos para o céu estrelado e, maravilhados com a magnificência celeste, indagamos: “de onde vim? Por que estou aqui?”.

Temos um vínculo com o salmista, que escreveu: Quando vejo os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e as estrelas que preparaste; que é o homem mortal para que te lembres dele? E o filho do homem, para que o visites? (Sl 8.3,4).

Fitamos o bebê recém-nascido e ficamos maravilhados com o enigma e a grandeza da vida. Em maiores ou menores proporções, o extraordinário está presente em nossa existência. Outro antigo escritor expressou muito bem essa admiração: Há três coisas que me maravilham, e a quarta não a conheço: o caminho da águia no céu, o caminho da cobra na penha, o caminho do navio no meio do mar e o caminho do homem com uma virgem (Pv 30.18,19).

O mistério nos cerca. Ele é parte da honra de poder viver. Entretanto, muitas pessoas não veem dessa forma. Elas querem a vida esmiuçada em pequeninas partes, para que possam consumi-la. Desconfortáveis com o mistério, esses indivíduos precisam do significado de sua existência interpretado e exibido em gráficos, para não haver confusão e incerteza. Neste caso, infelizmente, o desapontamento é uma constante, pois a vida não é assim.

Se quisermos construir uma vida sólida e significativa, precisamos estar abertos para admitir o mistério. Temos de aceitar o fato de que nunca saberemos tudo que gostaríamos de saber. Muitas situações estarão sempre fora do alcance da compreensão, e algumas questões, eternamente além de nosso entendimento.

Isso significa que devemos conduzir a vida com uma dose saudável de humildade e admitir que não sabemos, e tampouco podemos compreender, tudo.

O que você faz quando a vida o pega de surpresa? Como reage quando situações inesperadas acontecem? Imagine o que você pensaria se tivesse acabado de casar e seu cônjuge morresse subitamente; se seu pai tirasse a própria vida; se descobrisse, depois de 30 anos, que sua mãe não é a sua mãe biológica; se perdesse as economias de toda a sua vida, ou os investimentos de sua empresa. Como você pode explicar ou entender essas tragédias?

Algumas pessoas insistem em querer saber as respostas de tudo. Elas têm em mente que nenhuma área do conhecimento está além da compreensão humana. Agindo assim, quando algo as atinge, ficam deprimidas.

Nossa insaciável busca pelo entendimento e pela sapiência é perfeitamente natural — até certo ponto. Afinal, nosso Criador nos moldou curiosos no que diz respeito a nós mesmos e ao ambiente que nos cerca. A chave é manter tudo em uma perspectiva equilibrada. Parte deste panorama é a consciência de que há certas circunstâncias que simplesmente nunca entenderemos.

Muitos me perguntam por que pareço nunca ficar deprimido ou frustrado. Uma das razões é porque percebi, há 30 anos, que existem certos enigmas a que nunca conseguirei responder. Procuro todas as respostas ao meu alcance, aceito o fato de que algumas fogem à compreensão humana (e provavelmente sempre fugirão) e sigo em frente. Há algumas perguntas a que jamais responderemos. Compreender e aceitar essa verdade torna a vida muito mais simples.

Myles Munroe é pastor, instrutor de líderes e autor internacional de vários livros.


UMA JANELA PARA O CÉU

A vida humana é um projeto do qual Deus nunca desistiu. Por isto, a despeito de enviar o dilúvio para punir a humanidade dominada pelo pecado, o Senhor preservou a vida humana por meio da semente de um homem justo: Noé.

A arca foi projetada para ser um grande depósito provisório de sementes (a humana, a animal e a vegetal). Mas não bastava colocar homens, animais e sementes dentro da grande caixa flutuante. Era preciso tornar a arca navegável e habitável até que as águas finalmente abaixassem. Só assim estaria garantida a continuidade das espécies ali guardadas.

Na arca, deveria haver coisas que atendessem às necessidades básicas dos “tripulantes”: água, alimento, luz solar, roupas. Contudo, Noé não deveria encher a arca de coisas, e sim de seres vivos. As coisas deveriam cooperar para a preservação e para uma melhor qualidade de vida; não podiam ser um peso que atrapalhasse a viagem.

Isso nos ensina que as coisas (o dinheiro, a casa, o carro, o barco, etc) existem para proporcionar o bem-estar ao ser humano, para servir a ele, e não o contrário.

Não podemos inverter os valores, priorizando as coisas em prejuízo das pessoas. Quem age assim sofre com a sobrecarga dos cuidados deste mundo e da futilidade de sua vida (Mc 4.19; 1 Tm 6.9). Por isto, hoje em dia, vemos muitos ricos e famosos tristes, depressivos, morrendo asfixiados pelo excesso de carga.

Deus não quer entupir-nos de coisas. Ele quer encher-nos de vida. Por isto, projetou a arca com uma janela aberta para o céu. Ele sabia que passar 40 dias dentro de uma “caixa” cheia de animais, roupas, alimentos e semente causaria morte por asfixia (Gn 8.6).

Como a vida de alguém pode dar certo sem ar renovado e sem luminosidade? Sem ar, as forças são suprimidas, a esperança desvanece, a morte se instala. Sem luz, o caminho a ser percorrido torna-se intensamente escuro e perigoso, e o desafio de caminhar sem saber a direção traz incerteza, medo e agonia pela hesitação do rumo a ser tomado, roubando a certeza da pessoa de alcançar o lugar almejado.

Entretanto, uma janela aberta inunda o ambiente de ar fresco e expande a luz, abatendo as densas trevas e permitindo que percebamos que rumo tomar. Igualmente, um coração aberto para Deus permite que nosso interior receba o refrigério e os reluzentes fachos de luz da vida de Jesus.

Precisamos de ar fresco do céu. Abramos as janelas para Deus, permitindo que o vento do Espírito Santo renove nosso ser e a luz de Cristo dissipe as trevas da nossa vida!

Janelas abertas são um convite para o Senhor entrar e inundar o ambiente escuro da nossa vida com Sua maravilhosa presença, que nos liberta da sobrecarga e da angústia (Mt 11.28), pois majestade e esplendor há diante dele, força e alegria, no seu lugar (1 Cr 16.27).

Quantas pessoas estão morrendo asfixiadas em meio à escuridão? Elas estão presas às riquezas e à busca desenfreada pelos bens materiais, coisas secundárias que vêm e que vão. Não amam nem buscam a Deus, Seu Reino e Sua justiça. Negligenciam sua saúde emocional e física, relacionamentos interpessoais e valores espirituais, patrimônios insubstituíveis.

Abra as janelas do seu coração para Deus, pois o Senhor está esperando para entrar!


Josué Gomes é pastor, presidente das Igrejas Evangélicas Ministério Plenitude, conferencista e escritor.




O FRACO TRANSFORMADO EM FORTE

Paulo é um bom exemplo de fraco transformado em forte. Esse apóstolo dos gentios foi um grande instrumento de Deus para a salvação de inúmeras pessoas e muitos povos. Antes de chegar a ser uma fortaleza divina, porém, ele teve de descobrir a própria fraqueza, até que se convencesse de que a excelência do poder pertence a Deus e manifesta-se, sobretudo, por meio de frágeis canais, como o ser humano. Assim, ainda no Judaísmo, Paulo se destacava entre os sábios e doutos do povo judeu, mas, convertido a Cristo, passou a ver-se como um vaso de barro nas mãos do Oleiro.

Em sua primeira carta a Igreja em Corinto, Paulo observou:

Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios e aniquilarei a inteligência dos inteligentes. Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura, não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo? Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação. (1 Co 1.18-21)

A palavra da cruz, o evangelho de Jesus, parece loucura ou fraqueza para uns, mas, para outros, os que são salvos, é a chave do sucesso e da vitória.

Os judeus buscavam sinais de Deus; os gregos, sabedoria. Ambos não conseguiam entender uma pregação baseada na crucificação. Para eles, era ilógico que um ato de rendição (e fraqueza), como o manifestado por Jesus na cruz, pudesse ser a maior evidência do poder de Deus [para salvar a humanidade]. Os sábios e fortes não podiam compreender isso, mas os indoutos e os fracos conseguiam [por revelação divina] entender o significado da morte expiatória de Jesus em toda a sua magnitude.

Ainda hoje, é difícil para muitos aceitar que tenhamos de ser fracos para podermos ser fortes em Deus. Por isso, ficam tão confusos ante a afirmação de Paulo de que, quando ele estava fraco, então era forte, por ser justamente na fraqueza que se aperfeiçoa o poder de Deus (2 Co 12.10).

Essa realidade tornou-se clara para um pastor latino-americano, pela experiência que ele viveu ao participar de um seminário do famoso evangelista Morris Cerullo.

Aquele pastor se considerava importante e poderoso por dirigir uma congregação de aproximadamente 200 membros. No seminário, conheceu vários ministros de diferentes lugares do mundo. Em uma dessas ocasiões, foi apresentado a um pastor africano, magro, franzino e fisicamente insignificante. Era este, também, um homem de pouca instrução, pois era um simples lavrador quando Deus o chamou para o ministério.

Depois dos cumprimentos de praxe e algumas palavras gentis, veio o aguardado questionamento: “Onde fica sua igreja? Quantos membros ela tem?” - indagou o importante pastor latino-americano. A resposta do humilde africano foi num tom de voz tão baixa que mal dava para se ouvir: “Sou pastor de uma congregação de 47 mil membros”.

O interlocutor, que era branco, forte e de voz grossa, ficou estupefato. Parecia-lhe incrível que aquele homenzinho negro, frágil e de voz apagada, pudesse ser um poderoso instrumento de Deus em uma nação situada no coração da África; enquanto ele mesmo, que se julgava o máximo, contava com uma igreja de apenas duas centenas de participantes. Para ele, a lição ficou bastante evidente: quem quiser ser forte em Deus, tem de reconhecer sua fraqueza e sua necessidade do Senhor.

Rodolfo Beuttenmüller é pastor, evangelista internacional e autor de vários livros.



A ORAÇÃO DEVE SER UM ESTILO DE VIDA

O apóstolo Paulo nos deu um entendimento abrangente da importância e da força da oração e de como temos de orar. Ele incluiu a oração como parte do arsenal espiritual que devemos ter para empreendermos a guerra e derrotarmos o inimigo. Depois de listar vários componentes da armadura espiritual, Paulo disse: Orando em todo tempo com toda oração e súplica no Espírito e vigiando nisso com toda perseverança e súplica por todos os santos (Ef 6.18).

Nesse único versículo, Paulo enfatiza seis coisas muito importantes concernentes à oração, das quais devemos lembrar-nos:

1. Ore sempre, o tempo todo, em todas as ocasiões;
2. Ore usando todos os tipos diferentes de oração [oração, intercessão, súplica e ação de graça];
3. Ore no Espírito;
4. Vigie na oração;
5. Persevere na oração;
6. Suplique por todos os santos.

Paulo exortou os cristãos da Igreja em Filipos a não ficarem ansiosos por coisa alguma, mas a apresentarem suas causas e petições a Deus (Fp 4.6). Com frequência deixamos de andar no poder e de obter vitória em todas as áreas da nossa vida porque não levamos tudo ao Senhor em oração!

O apóstolo deixou claro que precisamos buscar cobertura da oração para todas as coisas que fizermos. Toda a nossa vida tem de estar saturada de oração. Temos de orar sem cessar (1 Ts 5.16-18) e fazer uma oração forte e persistente (Cl 4.2).

Escrevendo a Timóteo, uma das primeiras coisas que Paulo enfatizou foi a importância da oração. Ele disse: Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens (1 Tm 2.1).

Orar na dimensão poderosa que Cristo pretendeu deve tornar-se um estilo de vida do cristão. Devemos viver em ligação e comunhão contínua com o Pai. A oração deve ser tão natural quanto o ar que respiramos.

O chamado para a oração é principalmente um chamado para um relacionamento vivo e vibrante com Deus e com Cristo. O desejo do coração do Pai é que Seus filhos entrem na Sua presença e permaneçam nela. Fomos criados para termos amizade com Deus! Nossa existência inteira como filhos de Deus gira em torno do nosso relacionamento com Ele, por meio do qual podemos ouvi-lo, responder à Sua voz e fazer a Sua vontade.

No Antigo Testamento, lemos como os israelitas ficaram aos pés do monte Sinai e tremeram de medo com o som da voz de Deus. Eles foram incapazes de aproximar-se dele.

Hoje, por causa do sangue de Jesus derramado para o perdão dos nossos pecados, podemos desfrutar de um relacionamento de amizade com Deus. Ele fala conosco, e somos capazes de ouvir a Sua voz e de receber todas as bênçãos da Sua aliança. Não existe mais uma barreira nos separando do Senhor. Somos cidadãos do Reino, Seus filhos! Deus colocou Seu Espírito em nós, dando-nos acesso direto a Ele. Podemos entrar com ousadia na Sua presença clamando: “Aba, Pai!”


Morris Cerullo é pastor norte-americano, autor de 50 livros e Doutor Honorário de Humanidade e Divindade.

UMA BÊNÇÃO CHAMADA PERSEVERANÇA

UMA BÊNÇÃO CHAMADA PERSEVERANÇA

Pr. Geziel Gomes

Conheço muitas pessoas que deixaram de realizar grandes obras para o Reino de Deus porque não tiveram a ousadia de perseverar. Começar é excelente, mas seu objetivo pode vir a perder todo o significado se não for perseguido com perseverança. Encontramos um dos melhores chamados bíblicos à perseverança em Judas 1.17-25.

Tiago nos faz lembrar os muitos desafios e as inúmeras tentações que surgem no caminho dos que lutam, mas a perseverança é uma arma especialmente concedida por Deus aos Seus diletos filhos, a fim de vencerem todos os percalços, até tocarem o céu (Tg 1.2-18).

Pessoas que não perseveram jamais sobem ao pódio. Jamais são premiadas como campeãs. Toda tarefa deve ter início, meio e fim. Paulo declarou solenemente haver chegado ao fim da carreira e obtido o prêmio da soberana vocação dele em Cristo (2 Tm 4). Mas alguns de amigos de Paulo não passaram do meio da jornada cristã.

João Marcos viveu muitos anos na obscuridade porque não perseverou em meio às lutas, depois de ter recebido o privilégio de juntar-se aos primeiros missionários da Igreja (At 13). Somente anos mais tarde, após retomar o ministério com a ajuda de Barnabé, Marcos recebeu o reconhecimento de Paulo (2 Tm 4.11). Quase tarde demais!

Talvez os melhores dias jamais tenham sido vividos por você não haver perseverado ante as dificuldades. Medo, insegurança, pouca visão, desmotivação, tristezas eventuais, ataques do inimigo e outras armas são frequentemente usadas para nos deixarem fora de combate, por ausência de perseverança. Mas precisamos triunfar sobre todos esses obstáculos pela perseverança, que nos permite crescer espiritualmente e conduz-nos a um estado de sólida maturidade. É o que se entende e apreende em 2 Pedro 1.5-11.

Toda perseverança é incondicionalmente aliada da fé. Sem fé é impossível agradar a Deus, e sem perseverança jamais se alcança o prometido por Deus. Convém, portanto, utilizar e desenvolver a fé sem esmorecer jamais (Rm 5.1-5).

É mais fácil ser perseverante quando se é agradecido. Oração e ações de graças mantêm a temperatura espiritual sempre elevada, sem os perigos da frigidez do amor (2 Ts 1.3-12). Devemos perseverar em nosso louvor, nossa adoração (Jo 4.23), nossa vida de oração (Cl 4.2), nossa tarefa de proclamar a Palavra (Mc 16.15), nossa missão frutificadora (Lc 8.15), nosso caminhar na senda da santificação (Hb 12.14), nosso voto matrimonial, nossa vigilância (Ef 6.18), nossa produção de boas obras e em nossa tarefa de fazer o bem a todos, especialmente aos domésticos da fé (Gl 6.10).

Além disso, devemos vislumbrar permanentemente o grande alvo de nossa fé: o futuro encontro pessoal com o Amado de nossa alma. Nada deve desviar o curso de nossa trajetória. Devemos sempre olhar para Jesus, o Autor e Consumador de nossa fé (Hb 12.2).

A certeza de posse da vida eterna é uma garantia assegurada exclusivamente aos que, havendo crido, perseveram (2 Tm 2.12; Hb 10.36). Devemos atentar para os conselhos dados às igrejas de Corinto e Éfeso, os quais estimulavam os cristãos a serem perseverantes (2 Co 22.11-21; Ap 2.1-7; 1 Co 13.7). Entre esses conselhos destacamos: Irmãos, venho lembrar-vos o evangelho que vos anunciei, o qual recebestes e no qual ainda perseverais (1 Co 15.1).

O compromisso com o evangelho não é uma tarefa apenas para os primeiros dias na fé, é para a vida inteira. Seja perseverante, caro leitor. Não se canse de lutar. Não desista de seus sonhos, de seus projetos, de suas realizações, de sua visão do futuro. Vale a pena recordar que no grego perseverança e paciência são a mesma palavra. Em outras palavras, somente os pacientes perseveram, e unicamente os que perseveram são pacientes. Ora o Senhor encaminhe os vossos corações no amor de Deus, e na perseverança de Cristo (2 Ts 3.5)!

GERAÇÃO ELEITA, SACERDÓCIO SANTO

O apóstolo Pedro, em sua primeira epístola, capítulo 2, versículo 9, escreveu: Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.

A partir do sacrifício do filho de Deus no Calvário, fomos feitos sacerdotes de Cristo. Com isto, passamos a ter liberdade para chegarmos diante do Senhor pelo novo e vivo caminho. O véu, que é a sua carne, foi rasgado por nós. Assim, temos livre acesso ao Santo dos santos.

Você é ou deseja ser um sacerdote? No Antigo Testamento havia todo um ritual para a consagração de um sacerdote (leia Êxodo 29.1-25).

1º Passo: ablução (ritual de lavagem com água, purificação) - Êxodo 29.4
Antes de alguém se tornar um sacerdote, precisava lavar-se com água, purificar-se. Hoje, também precisamos ser lavados pela água da Palavra. Sem ela, não há purificação; e sem purificação não há como ser sacerdote de Cristo. Só a Palavra de Deus pode purificar e transformar o homem.

Veja o que está registrado em Hebreus 4.12:

Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da alma, e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.

Em João 8.32 está escrito: e conhecereis a verdade [a Palavra de Deus], e a verdade [a Palavra de Deus] vos libertará.

2º Passo: Investidura (vestimenta sacerdotal) - Êxodo 29.5
No Antigo Testamento, vemos que os sacerdotes possuíam trajes especiais. Hoje, precisamos ser vestidos com vestimentas espirituais. Uma geração desnuda não pode ser sacerdote de Cristo. É preciso usar as vestes de santidade. Adão fez para si vestes de folha de figueira, mas estas não serviram. Deus fez para ele vestes de pele de cordeiro. Revista-se com as vestes do Cordeiro de Deus. Busque em sua Bíblia o que o apóstolo Paulo revelou em Efésios 6.10-17.

3º Passo: Unção – Êxodo 29.7
A unção só era derramada sobre o sacerdote, após a purificação e a investidura deste. O óleo sagrado descia da cabeça sobre as roupas (Salmo 133; Eclesiastes 9.8).

Sem compromisso com Deus, você não pode ser ungido por Deus. A unção quebra o jugo (Isaías 10.27). Jesus foi ungido com o Espírito Santo e poder (Atos 10.38).

4º Passo: Sacrifício - Êxodo 29.10-23
No antigo Testamento, era oferecido ao Senhor um novilho e dois cordeiros como sacrifício para o perdão e a santificação. A terceira oferta a Deus era em prol do sacerdote.

O nosso sacrifício hoje é o que está em Romanos 12.1-3: a nossa santificação. Você tem oferecido seu próprio corpo como sacrifício puro, santo e agradável a Deus?

5º Passo: Mãos cheias – Êxodo 29.24
As mãos do sacerdote não podiam estar vazias diante de Deus. Eram sempre cheias de ofertas pacíficas e móveis. Ele andava em direção ao fogo e jogava a oferta de agradável aroma para o Senhor.

O que você tem em suas mãos para oferecer a Deus? Ofereça o seu melhor para o Todo-poderoso, siga os Seus ensinamentos, leia a Sua Palavra e busque-o de todo coração com fé em oração, e torne-se parte da Sua geração eleita, do sacerdócio real e da nação santa.

Elson de Assis é pastor da Assembleia de Deus Ministério Caetés em Bonsucesso (RJ).

A ATITUDE DE GRATIDÃO

Você é grato pelo que Deus tem feito em sua vida? Por que devemos ser gratos? Porque isso é bíblico. Paulo exortou: Sejam gratos e louvem ao seu nome [do Senhor] (Cl 3.15). Em tudo o que você fizer, dê graças a Deus, pois a gratidão atrai a presença do Altíssimo, que manifesta a presença do Espírito Santo em sua vida, abençoando-o e atraindo outros para Cristo.

Ser grato não envolve apenas os seus sentimentos; implica também o seu pensamento e a sua vontade. Você pensa a respeito e decide ser grato; então, suas emoções correspondem à sua decisão.

Paulo disse que devemos embriagar-nos do Espírito, e não de vinho (Ef 5.18), e dar graças sempre (1 Ts 5.18). Se você não é grato, não é cheio do Espírito Santo. Um dos gomos do fruto do Espírito é a alegria. Mas sem gratidão, você não será cheio do Espírito e nunca conhecerá a verdadeira alegria e não alcançará todas as bênçãos que o Senhor tem para a sua vida. Suas orações não serão atendidas.

Além disso, ninguém, nem mesmo o Criador, gosta de estar perto de pessoas ingratas. Já percebeu como as pessoas negativas nunca são gratas? O Senhor lhes deu a vida como um presente, mas é o que elas fazem dela que demonstra se reconhecem isso ou não. Contudo, muitas não fazem nada além de reclamar.

Sabe qual o oposto da gratidão? A murmuração! Veja o que está escrito no livro de Judas 1.16: Estes são murmuradores, queixosos da sua sorte, andando segundo as suas concupiscências, e cuja boca diz coisas mui arrogantes, admirando as pessoas por causa do interesse.

Há estudos em psicologia que têm constatado que muitas pessoas gostariam de ser outra, se pudessem. Por que isso? Cada pessoa é única! Não há ninguém igual a mim ou a você na terra! Nossas impressões digitais comprovam que cada um de nós é único; é uma expressão de Deus!

Será que somos tão ingratos a ponto de não apreciarmos também as coisas simples que Deus tem feito por nós? Quando reclamamos do que não temos, estamos murmurando da provisão de Deus. Quando nos queixamos de onde estamos na vida, demonstramos não estarmos satisfeito com a liderança do Senhor e, principalmente, nossa inabilidade em obedecer à Sua autoridade. Quando reclamamos de quem somos, subestimamos a soberania do Criador.

O apóstolo Paulo, em Romanos 1, falou de pessoas que conheceram o Senhor, mas não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças (v. 21). Não foram gratas. O entendimento delas se corrompeu, e elas adoraram a criação, em vez de o Criador.

Não seja ingrato! Faça todas as suas atividades sem murmurar, mesmo aquelas menos chatas. Lembre-se da recomendação do apóstolo Paulo: Fazei todas as coisas sem murmurações (Filipenses 2.14).

Se você tem sido ingrato e murmurado contra o Senhor? Hoje, confesse ao Senhor toda forma de murmuração, ingratidão e insubmissão a Ele. Sua gratidão ao Pai será revertida em bênçãos para a sua vida.

Lembre-se que, antes de alimentar aproximadamente 15 mil pessoas, Jesus agradeceu a Deus pelo alimento, e o Pai o multiplicou. Antes de ressuscitar Lázaro, Cristo orou dando graças ao Pai, e os que viram esse tremendo milagre glorificaram a Deus e creram que Jesus é o Messias (Jo 11.41). Se você precisa de um milagre, seja grato a Deus e ofereça louvor a Ele. Levante as suas mãos e dê graças, independente das circunstâncias. Agradeça o Senhor pela escuridão, pelas lutas, por toda “dor de cabeça”, porque essa adversidade fará com que você ore e busque mais o Altíssimo. E suas ações de graças, redundarão em bênção sem par. Entre[mos] pelos portões do Templo com ações de graças, entrem[os] nos seus pátios com louvor. Louvem[mos] a Deus e sejam[os] agradecidos a ele
(Sl 100.4 NTLH).

Marcus Gregório é pastor do Ministério Apascentar de Nova Iguaçu e escritor.

ENCHA A SUA CASA COM PROVAS DE AMOR

Transforme a sua casa em um santuário emocional. Use a sua criatividade para externar seus sentimentos mais valiosos e nutritivos. Por mais simples que seja sua residência, ela pode tornar-se um jardim do Éden, onde a música da alegria é ouvida por todos.

Viver o bom relacionamento conjugal não é viver de aparências. Quantas pessoas moram em palácios, mas se sentem dentro de um campo de concentração nazista? Talvez você esteja se perguntando: “Como eu posso encher a minha casa com provas do meu amor?” A palavra-chave é: seja coerente. Se pela manhã você diz ao cônjuge: “Amo você”, porém à tarde o agride, dizendo: “Odeio os seus pais”, está sendo incoerente.

Quando declaramos verbalmente o nosso amor, precisamos validar essa declaração por meio das nossas atitudes e de nosso comportamento. Outra forma de encher sua casa com provas de seu amor, transformando-o em um santuário emocional, é provendo alegria, pacificando (construindo pontes que ligam um coração ao outro), sendo paciente, benigno, bondoso, fiel, manso e uma pessoa autodisciplinada (Gl 5.22,23).

Sua casa pode ser o melhor lugar do mundo se ela for uma “central terapêutica do amor”, pois só o amor transforma pedras em pães e corações de pedra em corações de carne. Dicas que podem ajudar:

1. Dê cinco abraços por dia no seu cônjuge e em cada em de seus filhos;
2. Não saia de casa sem dar no seu cônjuge um beijo acompanhado de um toque significativo;
3. Deixe, às vezes, um bilhete com uma palavra de elogio, gratidão ou amor;
4. Surpreenda seu cônjuge na hora da refeição com uma declaração de afeto, do tipo: “Que bom que estou aqui com você!”, “que delícia de família!” ou “como está gostosa essa refeição!”
5. Demonstre, de forma criativa, o valor dos pais dele, provendo um almoço em casa e convidando-os de forma especial.
6. Ponha no quarto de vocês um porta-retratos com uma foto em que os dois estejam abraçadinhos, para lembrar os momentos de afeto.
7. Deixe que seus filhos vejam vocês demonstrando carinho e afetuosidade um para com o outro.
8. Grave na secretária eletrônica uma mensagem de “bom dia” bem romântica.
9. Quando terminar de orar às refeições ou à noite com a família e levar as crianças para a escola, abençoe-as com promessas de Deus.

O apóstolo Paulo, sob inspiração divina, escreveu a mais completa descrição do amor que todos precisam conhecer para viver:

Ainda que eu falasse a língua dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse dom de profecias, e conhecesse todos os mistérios, e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.

E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal. Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade.

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha
(1 Coríntios 13.1-8 ARA).

Pastor Josué Gonçalves é terapeuta familiar, conferencista internacional e autor de vários livros.

O SENHOR ABRIRÁ SEU BOM TESOURO

Temos direito ao tesouro que o Senhor nos tem preparado. Muitas pessoas, em vez de pegar os tesouros de Deus, pegam o tesouro que o diabo os oferece. Tenha sabedoria para resistir e dizer não a estes falsos tesouros. A Bíblia nos diz que somos co-herdeiros com Cristo, por isso temos direito ao tesouro de Deus.

Veja as palavras de Paulo em Romanos 8.17:
E, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados.

Tenha ousadia para penetrar no santuário, pois esta é a casa de seu Pai. Ele lhe dá a liberdade e o direito de fazê-lo, porque Deus abriu o Seu bom tesouro. Não faça uso de mediadores para chegar até o Criador, porque há um só mediador, que é Jesus Cristo (1 Timóteo 2.5). Não viva como um mendigo espiritual. Viva em vitória, conhecendo seus direitos, porque o véu que nos separava de Deus foi rasgado para que tivéssemos liberdade de adentrar na presença do Senhor.

Porque o SENHOR é Deus grande e Rei grande acima de todos os deuses. Nas suas mãos estão as profundezas da terra, e as alturas dos montes são suas. Seu é o mar, pois ele o fez, e as suas mãos formaram a terra seca. (Salmo 95.3-5)

Deus é o dono de todas as coisas. O Todo-poderoso é o proprietário do tesouro e o dá a quem Ele quiser. O caminho para o tesouro do Senhor é Jesus Cristo. Bloqueie em sua mente todo e qualquer engano que Satanás tentar lançar sobre você para iludi-lo com os falsos tesouros dele.

Nos museus do Egito, pode-se ver que há um enorme tesouro guardado. Há muitos homens que tem verdadeiras preciosidades escondidas. Agora, imagine os tesouros de Deus, que é o dono de todas as coisas existentes no mundo, inclusive o próprio universo. O Senhor nos convida a andar com Ele nas ruas de Jerusalém celestial. Se você precisa de paz, de vida, entre nos tesouros de Deus.

A Bíblia está cheia de promessas quanto ao tesouro de Deus para a nossa vida. Portanto, não permita que Satanás o engane, dizendo que estas promessas não são falsas ou que não são para a sua vida.

(Porque sobre nenhum deles tinha ainda descido, mas somente eram batizados em nome do Senhor Jesus.) Então, lhes impuseram as mãos, e receberam o Espírito Santo. (Atos 8.16,17)

O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. E, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados. (Romanos 8.16,17)

Tenha sempre com você o mapa desta mina, que é a sua Bíblia. Não perca o caminho que o levará ao tesouro: Jesus. Ele é o caminho, a verdade e a vida (João 14.6). Ninguém vai ao Pai a não ser por intermédio de Cristo. Entre no tesouro de Deus e receba a vida eterna por meio de nosso Senhor e Salvador. Levante a cabeça e viva como uma pessoa que é rica não porque possui uma riqueza banal, mas riquezas espirituais, que estão em Cristo Jesus.

Jabes de Alencar é pastor da Assembleia de Deus no Bom Retiro (SP) e conferencista.

Outubro de 2010

SER VITORIOSO: UMA QUESTÃO DE ESCOLHA

O homem se aproximou da porta. Incerto, retornou alguns passos repentinamente. Já não sabia se queria ir adiante. Mas, mesmo estando longe, via a luminosidade que emanava daquela entrada. Sem dúvida, encontrava-se diante de um lugar majestoso, perfeito. Ele até fora convidado a entrar. Não tinha certeza se deveria. Sentia-se incomodado e confuso. Algo estranho o perturbava.

Voltou-se em direção à porta, mas, ao tentar passar, sentiu-se embaraçado mais uma vez. Recuou. Transtornado, afastou-se novamente. Sabia que, se entrasse, encontraria um novo caminho e delícias perpétuas. No entanto, ele não podia. Estava preso a outras portas.

No fundo, sabia o motivo do seu constrangimento. Se entrasse por aquela porta, teria de fechar muitas outras; a porta das paixões, dos prazeres, do orgulho, do amor próprio, de convicções concebidas ao longo de sua história.

Lembrou-se das próprias vestes, e olhou-as. Estavam sujas, manchadas, envelhecidas, gastas pelas intempéries, mas já havia se acostumado a elas. Faziam parte do seu corpo. Despir-se delas seria como despir-se de si mesmo.

Tomou a antiga estrada, convencido de que jamais poderia adentrar àquele lugar. O brilho que vinha da porta ainda o impressionava. Contudo, estava apegado demais ao passado, às lembranças, ao eu. Foi nesse instante que sentiu a terrível dor da separação, da perda.

Enquanto andava em direção às coisas passageiras, a eternidade ficava para trás e doía-lhe. Sua alma gemia. Entretanto, ele não compreendia que a dor era consequência da escolha que fizera. Preferiu a perda, assentou-se em suas prisões, abraçou-se às velhas vestes e tornou-se escravo de si mesmo por não ousar entrar aquela porta. Não se atreveu à eternidade, porque decidiu apegar-se ao comum. A porta, no entanto, persiste aberta enquanto Jesus proclama: Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens (Jo 19.9).

Vencer é o sonho do ser humano desde a fundação do mundo. Na verdade, a fórmula da vitória do mundo é muito diferente daquela revelada por Deus, uma vez que a primeira está baseada na razão humana, sobrepondo-a à fé no Senhor. Por isso, quando o homem luta para vencer e deixa de lado a vontade de Deus, frustra-se.

As escolhas que fazemos determinam a nossa vitória. À nossa frente, sempre estarão dispostas as mais diversas portas. No entanto, a escolha certa, aquela que nos levará ao triunfo, não nos permite quebrar os princípios do Altíssimo.

Precisamos ter em mente que Deus é fiel e jamais desampara aqueles que o buscam. Devemos também aprender a manter nossos olhos nele, e não nos problemas. É uma atitude que pode parecer difícil, mas é possível e gera fé.

É essencial compreendermos que Deus tem o seu modo de fazer as coisas, e não nos cabe questioná-lo. O diabo, porém, sabe que, quando o povo de Deus se posiciona em oração, louvor e adoração, o inferno treme. Sabe que o Altíssimo enviará seus anjos de guerra para pelejar por seus escolhidos.

Quando os problemas surgirem, não fique abalado. Concentre-se naquele que afirmou: eis que estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém! (Mt 28.20). Não entre por portas com escapes temporários. Lembre-se que Jesus é a única porta que conduz à verdadeira vitória.

Ezequiel Teixeira é pastor do Projeto Vida Nova de Irajá

OS VERDADEIROS SERVOS

Servos são aqueles que estão prontos para servir e para obedecer às ordens de seu senhor. Logo, não é o servo maior do que o seu senhor (João 13.16a). No entanto, como os valores estão invertidos neste mundo, grande parte dos servos pensa que é senhor.

O próprio Jesus Cristo disse que, apesar de ser o Filho de Deus, não tinha vindo para ser servido, mas para servir (Mateus 20.28). A despeito disso, encontramos muitos que desejam pastorear para ter fama e poder. Eles se esquecem de que, se não forem servos, não serão nada; muito menos pastores, pois pastor é o maior servo que existe. Muitas vezes, ele precisa deixar sua família, seus planos e seus projetos para servir à Igreja de Jesus.

Nós, como pastores e como ovelhas, somos servos do Altíssimo e temos de obedecer às ordens do Pai celestial, antes que seja tarde demais. Não nos resta muito tempo. O Rei dos reis e Senhor dos senhores está quase arrebatando a Sua Noiva. Além disso, servir a um Senhor tão bom e generoso é uma grande dádiva. Devemos fazer com amor e empenho. Foi isto que constatou o filho pródigo.

Em Lucas 15.11-32, vemos que o filho mais novo de um rico senhor, que havia partido e gastado toda a sua herança, passando por extremas necessidades, reconheceu que os servos de seu pai tinham abundância de pão, enquanto ele estava prestes a perecer de fome. Resolveu, então, retornar para a casa paterna, arrependido e quebrantado, a fim de pedir perdão ao pai. Mas o jovem, sentindo-se indigno de ser recebido como filho, estava disposto até mesmo a viver como um dos servos do Pai.

O pródigo pediu ao pai para fazer dele um de seus servos: Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros (Lucas 15.19). O pai, porém, recebeu o pródigo com festa, restituindo-lhe a honrosa posição de filho amado.

O que a história do filho pródigo nos ensina? Entre outras coisas que, apesar de ter ido embora, aquele filho guardou em sua mente que os servos de seu pai tinham abundância e prosperidade, porque estavam debaixo da bênção do pai dele. Isso assinala que vale a pena servir a Deus!

Como afirmamos, Jesus Cristo é o maior exemplo de Servo que podemos encontrar. O próprio Deus o reconheceu como tal. Eis aqui o meu servo que escolhi, o meu amado, em quem a minha alma se compraz; porei sobre ele o meu Espírito, e anunciará aos gentios o juízo (Mateus 12.18).

Jesus, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai (Filipenses 2.6-11).

Que possamos seguir o exemplo de Jesus, sendo sempre obedientes ao Pai, como verdadeiros servos, para que sejamos vitoriosos, desfrutando, assim, de uma vida abundante.

Gidalti Alencar é pastor da Igreja Cristo Nossa Rocha, nos EUA, e escritor

AONDE VOCÊ QUER CHEGAR?

Sonhar os sonhos de Deus e fazer parte deles, colaborando para que os projetos divinos se realizem não é para qualquer um. É preciso ter muita fé para crer no Deus invisível e obedecer-lhe mesmo quando as circunstâncias não apontem para aquilo que Ele revela, executando obras inusitadas projetadas por Ele.

Noé era um homem de fé, que soube ouvir a voz do Criador, entender a motivação do coração dEle e submeter-se a todas as instruções divinas quanto à construção da arca, aquele grande barco, com dimensões de um navio.

Talvez, se Deus não tivesse orientado minuciosamente Noé quanto à construção da arca, este tivesse construído uma canoa das boas, mas nunca uma embarcação adequada para proteger por quase um ano todos os que nela estavam abrigados das destrutivas águas do Dilúvio.

Deus queria que Noé construísse uma arca, não uma canoa. E ouvir a voz de Deus e seguir Suas orientações foi fundamental para que Noé chegasse ao resultado que Deus desejava.
Onde você deseja chegar? Ouvir a voz de Deus para saber onde pode chegar, como, quando e por que, é fundamental para quem deseja ser bem-sucedido em todas as áreas de sua vida. Deus tem todas as respostas e quer sanar nossas dúvidas ao Seu tempo.

O Senhor deseja que saibamos a real dimensão da nossa existência. Quer levar-nos o mais longe possível. Mas precisamos ouvir o que Ele tem a dizer-nos, a ensinar-nos; e precisamos obedecer-lhe, seguindo à risca todas as Suas instruções.

Se a nossa vida limitar-se à dimensão de uma canoa, não irá longe. A vida que dá certo é aquela que atinge a dimensão proposta por Deus.

A arca não deveria ser nem maior nem menor do que Deus estabelecera, para atingir os fins almejados. Sua vida também precisa alcançar as dimensões espiritual, emocional e profissional corretas para atingir tudo aquilo que Deus sonhou para você.

O que Deus projetou para a nossa vida provavelmente é muito maior do que aquilo que experimentamos hoje e esperamos para o amanhã. Não existimos por obra do acaso. Somos obras-primas da engenharia divina. E há uma finalidade proposta por Deus para a minha e a sua vida. Precisamos descobrir!

Deus quer imprimir em nosso coração o senso de importância e grandeza de seus planos, para que a nossa vida alcance a extensão e a intensidade que Ele projetou para ela. Só assim, seremos quem Ele projetou que fôssemos e faremos tudo o que Ele nos confiou. Quando isto ocorrer, todos darão a honra e a glória devidas ao nome do Senhor por Sua obra em nós e por nosso intermédio. A magnitude é a obra do Espírito Santo!

Onde você deseja chegar? O que tem feito para que isso aconteça? A sua disposição atrairá a atenção de Deus, que abençoará o seu projeto, enviando os recursos (veja Dt 31.23). Ouvir as instruções do grande e poderoso Autor da vida é o segredo daqueles que querem chegar a um lugar significativo e fazer com que sua vida dê certo (Pv 1.33).

Você pode até pensar que já atingiu todas as suas expectativas de vida, Deus, porém, quer e pode fazer infinitamente mais do que pedimos ou pensamos. Ele deseja descortinar novas possibilidades diante dos seus olhos, a fim de que você cresça em todas as áreas e pessoas ao seu redor sejam contagiadas por suas novas expectativas e por sua motivação.

Você pode ir mais longe! Há um caminho diante de você ainda inexplorado. O seu futuro está à sua espera para ser construído. Deus quer ampliar o comprimento, a largura e a altura da sua vida; quer fazer com que ela cresça em todos os sentidos. Sendo assim, nunca se assuste diante de algo novo. Nunca limite a sua capacidade ou as suas possibilidades. Pense grande e jamais tenha medo de tentar alcançar a realização dos seus sonhos e projetos!

Pr. Josué Gomes é conferencista, escritor e presidente das Igrejas Evangélicas Ministério Plenitude

OS EFEITOS DA REGENERAÇÃO

Nos dias atuais, é cada vez mais urgente a necessidade de mensagens sobre regeneração. O evangelho de facilidades está rondando os púlpitos das igrejas como nunca se viu antes. Pessoas que vivem seu estilo de vida comprometido com o passado insistem em ser a grande atração na casa de Deus.

Toda pessoa regenerada é receptiva à voz do Senhor e à Sua direção. Os apelos do amor de Deus são aceitos e executados facilmente pelo cristão efetivamente regenerado. Regeneração significa a troca do coração empedernido, terrível, de pedra por um coração de carne, sensível.

A partir das Sagradas Escrituras é possível entender que é absolutamente necessário e indispensável que aquele que serve a Deus possua um novo coração. Lemos em Ezequiel 36.26: E vos darei um coração novo e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei o coração de pedra da vossa carne e vos darei um coração de carne.

O Criador está pessoalmente assumindo o compromisso de doar um novo coração e um novo espírito àquele que o aceita como Senhor. O espírito é o mais íntimo, o mais interior e o mais profundo do nosso ser. Quando uma pessoa recebe a Cristo como seu Salvador e Senhor, o Espírito Santo efetua uma limpeza profunda no interior dela. A isto o apóstolo Paulo chamou de lavagem da regeneração: não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas, segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo (Tito 3.5).

Ser um verdadeiro cristão significa estar genuinamente lavado pelo sangue de Jesus. Ele disse aos Seus discípulos: Vós já estais limpos. Somente após esta limpeza, o espírito humano se conecta com Deus. É depois da regeneração que o homem se torna a lâmpada de Deus, por haver recebido Seu Espírito, Sua “energia”, “eletricidade”, estando assim apto a brilhar. Vós sois a luz do mundo (Mateus 5.14), declarou o Messias.

Regeneração sem frutos é falsa. O homem regenerado tem seu coração completamente transformado. Suas afeições, seus sentimentos, seus ideais, suas emoções, seus pensamentos e seus prazeres deixam de ser iguais aos daqueles que vivem segundo o curso deste mundo, e passam a ser influenciados pelo Todo-poderoso.

Como resultado da regeneração, o Espírito Santo passa a habitar no coração do salvo: E porei dentro de vós o meu espírito e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis (Ezequiel 36.27). Jesus também prometeu o Consolador: E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre (João 14.16).

Isto é o principio da vida eterna! É desta maneira que efetivamente nos tornamos e nos sentimos filhos de Deus. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para, outra vez, estardes em temor, mas recebestes o espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. E, se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados (Romanos 8.15-17).

Somente a lei do Espírito de vida nos livra do pecado e da morte: Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito. Porque a lei do Espírito de vida, em Cristo Jesus, me livrou da lei do pecado e da morte (Romanos 8.1,2).

Geziel Gomes é pastor da Igreja Evangélica Missionária Canaã (Recife), conferencista internacional, membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil, doutor em Teologia e escritor